Cientistas descobrem espécie de minhoca que desenvolve garras de cobre.
Cientistas descobrem espécie de minhoca que desenvolve garras de cobre.

Cientistas descobrem espécie de minhoca que desenvolve garras de cobre.

Uma espécie de minhoca venenosa desenvolve dentes de metal bizarros e mortais, e agora os cientistas sabem como: com uma única proteína simples que transforma depósitos de cobre localizados no fundo do mar em presas temíveis.

Glycera dibranchiata

Glycera dibranchiata é exatamente o tipo de criatura que você não quer encontrar no fundo do seu balde de praia. Eles são chamados de bloodworms por sua pele translúcida. Longos e venenosos, os vermes são nativos de ambas as costas da América do Norte e têm quatro presas afiadas e um temperamento um tanto mal-humorado: à medida que se enterram na areia, atacam tudo o que sentem nas proximidades.

“Eles protegem muito seu território”, disse Herbert Waite, professor da Universidade da Califórnia, em Santa Bárbara, que estuda as criaturas. “Eu acho que eles são basicamente introvertidos.”

Bloodworms (Glycera dibranchiata) são vermes marinhos segmentados, vermelho-vivos que podem crescer até 14 polegadas (35 centímetros) de comprimento e ter dentes semelhantes a agulhas de 0,08 polegadas (2 milímetros) feitos de uma mistura de proteína, melanina e 10% de cobre, a maior concentração em qualquer animal.

As minhocas vivem em planícies de maré rasas e caçam enterrando-se na areia e emboscando qualquer coisa que consigam engolir. Quando um verme de sangue está perto o suficiente para atacar, ele inverte seu sistema digestivo – que inclui seus dentes – lançando suas entranhas para fora do corpo como um torpedo em seu alvo. Após o contato, a mandíbula do verme se fecha e injeta em sua vítima um veneno mortal que contém 32 tipos diferentes de toxinas, paralisando a presa em preparação para ser comida viva.

Relacionado: Por que os animais venenosos não morrem de suas próprias toxinas?

“Estes são vermes muito desagradáveis, pois são mal-humorados e facilmente provocados”, disse o coautor do estudo Herbert Waite, bioquímico da Universidade da Califórnia, em Santa Bárbara, em um comunicado. “Quando encontram outro verme, geralmente lutam usando suas mandíbulas de cobre como armas.”

Quem Somos

Canal no youtube