O que é Apocalipse da internet ?

Imagine tal cenário, de repente o seu celular fica fora da internet, ok isso é normal , mas imagine isso durante dias, semanas e até meses ! Seria uma caos não acham ? .

Estudos da Universidade da Califórnia

Infelizmente tal cenário pode acontecer, segundo cientistas da Universidade da Califórnia fez um estudo que apontou a possibilidade do aumento nas tempestades solares nos próximos anos o que pode afetar tragicamente o funcionamento da internet aqui na terra.

O que é tempestade solar ?

Uma tempestade solar é um termo usado para os efeitos atmosféricos sentidos na Terra a partir de certos eventos que ocorrem no sol .

Você provavelmente pensa no Sol como uma luz brilhante e brilhante que nunca muda. Na realidade, é uma bola incrivelmente grande de gases derretidos que está em fluxo constante .

As tempestades solares ocorrem quando o Sol emite grandes explosões de energia na forma de erupções solares e ejeções de massa coronal.

O que é ejeções de massa coronal ?

De vez em quando, o sol emite, com a potência de 20 milhões de bombas nucleares. Esses pulsos são conhecidos como ejeções de massa coronal ou CMEs. Eles são erupções poderosas perto da superfície do sol, impulsionadas por dobras no campo magnético solar . Os choques resultantes se propagam pelo sistema solar e podem interromper satélites e redes de energia na Terra.

Esses fenômenos enviam um fluxo de cargas elétricas e campos magnéticos em direção à Terra a uma velocidade de cerca de 4 milhões de quilômetros por hora.

Como as tempestades solares poderia afetar a internet aqui na terra ?

Os cientistas conhecem por décadas que uma tempestade solar extrema , ou ejeção de massa coronal , poderia danificar as redes elétricas e potencialmente causar apagões prolongados .

As repercussões seriam sentidas em todos os lugares, desde as cadeias de suprimentos globais e transporte até o acesso à Internet e GPS. Menos examinado até agora, porém, é o impacto que tal emissão solar poderia ter na infraestrutura da Internet, especificamente. Uma nova pesquisa mostra que as falhas podem ser catastróficas, especialmente para os cabos submarinos que sustentam a Internet global.

Propulsores elétricos solares futuristas fazem a nave espacial Psyche da NASA funcionar

Já tivemos tempestades solar no passado ?

Em 2 de setembro de 1859, uma incrível tempestade de partículas carregadas enviadas pelo sol se chocou contra a atmosfera da Terra, dominou-a e causou estragos no solo. Fios telegráficos, o material de alta tecnologia da época, repentinamente entraram em curto nos Estados Unidos e na Europa, provocando incêndios generalizados. Aurora colorida, normalmente visível apenas em regiões polares, foi vista tão ao sul quanto Cuba e Havaí.

O campo magnético da Terra normalmente protege a superfície do planeta de algumas tempestades. Em 1859, as defesas do planeta foram totalmente subjugadas. Durante a última década, tempestades semelhantes, mas menos poderosas, também explodiram, dando aos cientistas uma visão do que acabará por acontecer novamente.

As perspectivas não são animadoras.

A tempestade solar de 1859 foi três vezes mais poderosa do que aquela que cortou a energia de uma província canadense inteira em 1989. Os especialistas dizem que se acontecesse hoje – e poderia – o resultado poderia ser impensável.

Se uma tempestade tão severa ocorresse hoje, poderia causar até US $ 2 trilhões em danos iniciais, paralisando as comunicações na Terra e alimentando o caos entre os residentes e até mesmo os governos em um cenário que exigiria de quatro a 10 anos para recuperação, de acordo com um relatório anterior neste ano pela Academia Nacional de Ciências. Para efeito de comparação, o furacão Katrina causou algo entre US $ 80 bilhões e US $ 125 bilhões em danos.

A boa notícia é que os astrônomos sabem um pouco mais com o que estão lidando hoje em dia e têm a capacidade de prever tempestades solares, com a ajuda de espaçonaves observadoras do sol. As tempestades se originam – ainda amplamente imprevisíveis – de manchas solares escuras. Assim que as manchas irrompem, uma onda inicial de radiação atinge a Terra em apenas alguns minutos. As piores erupções liberam outra nuvem de partículas carregadas que se espalham e levam de 18 a 36 horas para chegar até nós; aqueles podem ser identificados e avaliados no caminho, permitindo previsões relativamente precisas de tempo de chegada e potência.

O aviso prévio permite que as principais estações de comutação da rede elétrica sejam desligadas para proteção. Os satélites que poderiam ser desligados por um curto-circuito são colocados no modo de hibernação.

Devemos agradecer à tempestade de 1859 por inaugurar a era da previsão de tempestades solares.